Crise da previdência: Roma diz que Bolsonaro “precisa dar o exemplo” na relação com o Congresso

João Roma conversa com o Onyx Lorenzoni em Brasília.
João Roma conversa com o Onyx Lorenzoni em Brasília.

“Ao líder cabe o exemplo e a condução do processo”, comentou o deputado federal João Roma (PRB/BA) sobre a nova crise gerada dessa vez com os entreveros entre o ministro da Justiça Sérgio Moro, o vereador Carlos Bolsonaro e o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM), até então grande fiador da Reforma da Previdência na Câmara. O líder a quem se refere Roma é o pai de Carlos, o presidente da República Jair Bolsonaro. “Cabe ao presidente viabilizar as condições políticas para que essa proposta seja aprovada”, disse o parlamentar baiano.

Segundo João Roma, as trapalhadas cometidas por quem está no entorno do presidente ou pelo próprio Bolsonaro “atrapalham os avanços (da reforma da Previdência) no Congresso Nacional e a coloca em situação frágil”. Os ataques do filho, apelidado por muitos como um pitbull do presidente, a pressão feita por Moro durante um churrasco com Maia pela aprovação do projeto anti-corrupção (e depois em declarações públicas) e as críticas à própria atividade política põem em cheque a aprovação das reformas, vistas como essenciais por diversos setores da economia.

“Ocorre uma reciprocidade negativa, e isso prejudica o andamento do projeto que já estava comprometido, pois ainda não há maioria”, disse Roma. Ele, que está em seu primeiro mandato como parlamentar, diz que esse clima de preconceito com a política não é bom. “Temos uma Câmara renovada em mais de 50%. Sou deputado de primeiro mandato e não tenho responsabilidade pelo que foi feito antes; o trabalho de articulação política é difícil, mas o governo não pode abrir mão disso, afinal os parlamentares também têm mandatos validados e legitimados pelo povo”, ressaltou o deputado do PRB. Roma enfatiza que a articulação deve ser realizada com gestos concretos do governo Bolsonaro.

Foi também noticiado hoje que o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, quis entrar no circuito e tentou marcar não um churrasco, mas um almoço com Maia, que rejeitou. “É de Bolsonaro o papel de liderar o processo de transformação do País”, ressaltou Roma, para quem Bolsonaro deve também tomar cuidados com “as declarações e desacertos do seu entorno familiar”.

2 Comentário

  1. Espero que Deus ilumine nosso presidente e que ele mostre a toda oposição o quanto estavam errado ao seu respeito. Tenho fé e esperança em nosso presidente.

  2. Nobre Deputado, por favor sugira ao nosso Presidente que acabe com este sistema de reajuste diferenciado aplicado nos aumentos do Piso Mínimo e Piso Máximo das aposentadorias do RGPS, que vem desde 1994, causando perda de poder aquisitivo, onde mais de 9.000.000 de aposentados caminham para a Linha da Pobreza. / De 1994 a 2018, o SM aumentou 1.411,43% e, o Piso Máximo 1.001,86%. / Que ele consiga pelo menos os últimos 5 anos, em torno de uns 4,5% + o reajuste do SM, a partir de 2020. / Que a partir de então, os 2 Pisos sejam fixos e, os aumentos iguais ao SM. / Agindo assim, os aposentados não terão mais Perdas de Poder Aquisitivo. / Seu conceito para com os aposentados serão agradecidos, mostrando assim, o seu interesso de acabar com as injustiças. / Temos confiança nele. / Que Deus esteja sempre ao seu lado.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*